Repeteco: Travessia das 7 Praias

Sábado, 22/10/2016.

Mais uma vez fizemos a Travessia das 7 Praias em Ubatuba, desta vez com um cenário que não esperávamos.

Depois de uma semana de calor intenso, e um sol de rachar mamona aqui em Indaiatuba, eis que já na Rodovia Tamoios fomos recebidos com uma garoazinha, aquele sereninho, sabe? Que virou chuva de verdade em Caraguatatuba e nos acompanhou por parte da trilha.

Mas começando do começo.

Desta vez não precisamos nos deslocar até São Paulo para iniciar a viagem, pois contratamos esse passeio com a Rodapé Turismo & Aventura, saindo de Indaiatuba mesmo, às 3h da manhã do sábado dia 22/10. A van ainda passou por Campinas, no Largo do Pará, para pegar duas passageiras, e de lá seguimos para o litoral.

Fizemos uma parada no Frango Assado da Rodovia Carvalho Pinto pra galera (quem estava acordado) usar o banheiro e comer alguma coisa. Até então, as vezes garoava, as vezes não. Ficou assim até chegarmos em Caraguá, que foi quando a chuva veio para valer.

Por volta das 8:20h fizemos uma parada em uma padaria na Praia de Maranduba, para quem quisesse tomar café da manhã, e também para encontrar com o condutor de turismo local que nos acompanharia na travessia. Ficamos ali uns quarenta minutos, e nada da chuva dar trégua.

banner-mundo4u

Os responsáveis disseram que, mesmo com chuva, o passeio não seria comprometido e não havia nenhum risco ou comprometimento na nossa segurança. Claro, a caminhada exigiria maiores cuidados, mas não precisaria ser cancelada.

Então lá fomos nós, debaixo de chuva mesmo.

Desembarcamos da van na Praia da Lagoinha, onde recebemos nosso lanche de trilha (bem completinho), vestimos a capa de chuva (eu fui sem) e iniciamos a caminhada.

Na entrada da Lagoinha, ruínas de uma antiga fábrica de vidros.

Na entrada da Lagoinha, ruínas de uma antiga fábrica de vidros.

Diferentemente da primeira vez, não atravessamos o Rio Lagoinha pela água, molhando os pés de imediato (apesar da chuva que já os estava molhando). Seguimos por dentro do condomínio passando por sobre o rio através de uma ponte.

Caminhando pelo condomínio na Praia da Lagoinha.

Caminhando pelo condomínio na Praia da Lagoinha.

Ponte sobre o Rio Lagoinha.

Ponte sobre o Rio Lagoinha.

Placa com aviso que deveria ser desnecessário.

Placa com aviso que deveria ser desnecessário.

Depois do alongamento e das explicações do condutor local sobre a travessia, os cuidados necessários e adicionais por conta da chuva, e um pouco sobre a flora da região, entramos na trilha que liga a Praia da Lagoinha a Praia do Oeste.

Local de parada para o alongamento inicial. Tudo cinza ao redor.

Local de parada para o alongamento inicial. Tudo cinza ao redor.

Iniciando a Travessia das 7 Praias.

Iniciando a Travessia das 7 Praias.

Ali na Praia do Oeste ouvimos mais algumas informações sobre a região e depois de alguns clicks continuamos a trilha para a próxima parada, na Praia do Perez, onde tiramos mais algumas fotos.

Travessia da 7 Praias em Ubatuba.

Travessia da 7 Praias em Ubatuba.

Travessia da 7 Praias em Ubatuba.

Travessia da 7 Praias em Ubatuba.

Travessia da 7 Praias em Ubatuba.

Travessia da 7 Praias em Ubatuba.

Como o clima não estava ajudando muito, não entramos no mar a cada parada. Era mais um pitstop para curtir o visual.

Travessia da 7 Praias em Ubatuba.

Travessia da 7 Praias em Ubatuba.

Quando deixamos a Praia o Perez, a chuva havia dado uma trégua, e assim ficou até a Praia do Bonete. Ali, fizemos uma pausa um pouco maior, com tempo para entrar na água.

Todos para o mar!

Todos para o mar!

Travessia das 7 Praias em Ubatuba.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba.

Atenção Sr. Turista!

Atenção Sr. Turista!

Apesar do céu cinza e todo o jeitão de que choveria de novo, a água estava uma delícia. Mas tínhamos que continuar, então, depois de um tempo ali, continuamos nossa travessia até a próxima parada na Praia Grande do Bonete.

banner-turismo-mondial-15off

Na Praia Grande do Bonete fizemos uma parada maior, de quase uma hora. Tempo para comer o lanche e curtir o mar. Por sorte a chuva não havia voltado.

Deixando o local, antes de seguir para a próxima praia, fomos conhecer a vila de pescadores que tem ali. As casas não tem muros, são todas separadas por cercas-vivas. E as ruas recebem nomes de peixes. Há um espaço central onde são feitas as reuniões e festividades, e um restaurante.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba.

Flor diferente.

Flor diferente.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba - Vila de Pescadores.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba – Vila de Pescadores.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba - ruas com nome de peixe.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba – ruas com nome de peixe.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba - Vila de Pescadores.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba – Vila de Pescadores.

O restaurante ali só atende com reservas antecipadas. Mas pode-se usar o banheiro sem consumir nada. Pelo menos foi o que o condutor local informou.

Dali seguimos para as Praias Deserta e do Cedro. Uma pequena extensão de areia dividindo as praias através de um costão de rochas. Pelo que me lembro, o condutor disse que ali era uma praia de tombo, ou seja, você entra no mar, e ali no rasinho você já afunda, até chegar em um banco de areia que deixa rasinho de novo.

Com isso, nossa próxima parada para banho de mar seria no ponto final da travessia, na Praia da Fortaleza, mais ainda tínhamos muito o que caminhar para chegar até ela. E a garoa fina se fez presente mais uma vez.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba. Bóra encarar a subida.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba. Bóra encarar a subida.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba. Cadê o mar azul que existia aqui?

Travessia das 7 Praias em Ubatuba. Cadê o mar azul que existia aqui?

Passamos por um local que eu não me lembrava de ter passado na travessia anterior, em 2014. Foi necessário utilizar o apoio de cordas para descer um trecho da trilha. Nada difícil, mas foi novidade.

Apoio de cordas para facilitar a descida.

Apoio de cordas para facilitar a descida.

Os planos de seguir até o Pontão da Fortaleza, uma formação rochosa que adentra no mar e, nas pedras existentes em sua ponta, a galera pratica um esporte chamado Boulder, foram abortados por causa do mau tempo. Como o piso é todo de rocha, os guias acharam melhor não arriscar a caminhada por lá, evitando escorregões e maiores consequências.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba - Pontão da Fortaleza.

Travessia das 7 Praias em Ubatuba – Pontão da Fortaleza.

banner-turismo-rodape

Então fomos direto para a Praia da Fortaleza, onde teríamos ficado mais tempo curtindo o mar, se não fosse uma chuva forte e fria que veio para espantar todo mundo que estava ali.

Praia da Fortaleza, seis horas após o início da trilha.

Praia da Fortaleza, seis horas após o início da trilha.

A chuva fria não deixou ninguém curtir a última praia da travessia.

A chuva fria não deixou ninguém curtir a última praia da travessia.

A ideia era parar em um dos quiosques existentes na Praia do Fortaleza e usar o banheiro para trocar de roupa, mas com aquele tempo de chuva, todos estavam fechados, então fizemos a troca de roupa na van mesmo. Primeiro as meninas, depois os meninos.

Na volta para casa, ainda paramos naquela mesma padaria em Maranduba para quem precisava usar o banheiro, e depois nova parada no Frango Assado da Carvalho Pinto para um lanche.

Chegamos de volta a Indaiatuba em torno das 23h, cansados porém extasiados com a viagem, mesmo a chuva tendo acinzentado a paisagem.

Se rolar outra travessia, irei novamente (mas desta vez com sol né?).